Quais são as diferenças entre frete CIF e frete FOB?

Frete CIF ou FOB? O que essas siglas significam e qual dessas modalidades é mais interessante para o e-commerce? Leia e fique por dentro!

Você já ouviu falar em frete CIF e frete FOB? Essas duas siglas são muito utilizadas na logística atual, mas suas origens remontam a um passado distante. Tanto o CIF quanto o FOB fazem parte dos Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio), um padrão criado em 1936 para facilitar as relações de compra e venda entre diversos países. 

E afinal de contas, quais são as diferenças entre esses tipos de frete? Quais as vantagens e desvantagens de cada um? Qual é o mais utilizado? E qual é o melhor para quem vende pela internet? Responderemos a essas e outras perguntas ao longo deste texto. Boa leitura!

O que é frete CIF?

CIF é a sigla para Cost, Insurance and Freight (Custo, Seguro e Frete). O frete CIF é aquele em que a responsabilidade pela entrega fica com a empresa fornecedora do produto (embarcador). Dessa forma, os custos com o frete são pagos na origem do embarque e embutidos no valor final da mercadoria. 

É a modalidade mais usada nas relações B2C (business-to-consumer / empresa para consumidor).

O que é frete FOB?

FOB é a sigla para Free on Board (Livre a Bordo). Esse tipo de frete acontece quando a responsabilidade pela logística fica por conta do comprador da mercadoria (destinatário). Assim, todo o processo de negociação e contratação do transporte/seguro ficam na mão do destinatário do embarque. No frete FOB,  a responsabilidade do vendedor acaba assim que a carga sai do armazém e passa a ser transportada pelo comprador. 

É bastante comum nas relações B2B (business-to-business / empresa para empresa) para o transporte de cargas com valor alto.

diferença entre empresas b2b e b2c são vitais para entender o frete cif e o frete fob
A imagem exemplifica as relações B2B (empresa-empresa) e B2C (empresa-cliente).

Frete CIF: principais características

Como já falamos acima, o frete CIF é o mais utilizado nas empresas B2C. E o motivo disso é bem simples: essa modalidade facilita a vida do cliente final (destinatário). Todo o papel de providenciar o transporte fica com o vendedor (embarcador) da mercadoria, que apenas repassa os custos para o comprador no ato da venda. No e-commerce de varejo, por exemplo, o frete CIF é dominante. 

Para o cliente, a principal vantagem desse tipo de frete é que ele não precisa se preocupar com questões logísticas após a compra. Já quem faz a venda precisa estar de olho: afinal de contas, no frete CIF, a responsabilidade do embarcador pela carga só acaba quando ela é entregue. 

Apesar de ser o mais usual, o frete CIF não é o mais indicado em todos os casos. Como nessa modalidade o destinatário tem pouco controle sobre a remessa, o frete FOB acaba sendo o preferido por empresas que precisam acompanhar o envio de maneira mais rigorosa. Falaremos sobre casos assim a seguir, continue lendo!

Em resumo: 

Principal vantagem do CIF
Principal desvantagem do CIF
Para o comprador: não precisa se preocupar com o processo de contratação de frete.
Para o comprador: praticamente não tem controle sobre o envio.
Para o vendedor: se o cliente fosse responsável por contratar o frete em todos os casos, os setores B2C seriam bastante prejudicados. O CIF ajuda a simplificar a logística — pelo menos para o lado do destinatário — e facilita as vendas.
Para o vendedor: fica responsável pela mercadoria até ela ser entregue.

Frete FOB: principais características

Já comentamos que o frete FOB é mais utilizado nas relações B2B. Mas por que isso acontece? A gente responde: esse tipo de frete é indicado para quem precisa ter muito controle sobre a entrega.

Pense em uma fábrica de automóveis. O aço é uma das matérias-primas essenciais para empresas desse tipo e, se faltar, pode comprometer toda a cadeia produtiva. Por isso, quando uma fábrica encomenda aço de um fornecedor, é bem mais provável que ela opte pelo frete FOB. 

Nesse tipo de frete, o controle sobre os prazos e condições de entrega ficam totalmente na mão de quem compra o produto — algo muito importante em casos como o que exemplificamos. E, ao contrário do que acontece no frete CIF, no FOB a responsabilidade do vendedor pela mercadoria acaba quando ela deixa seu armazém.

Em resumo: 

Principal vantagem do FOB
Principal desvantagem do FOB
Para o comprador: controle total sobre as condições de frete.Para o comprador: dá mais trabalho que o frete CIF e exige conhecimento aprofundado em logística.
Para o vendedor: a responsabilidade pela mercadoria passa a ser do comprador assim que ela sai do armazém.
Para o vendedor: não tem. 

3 cuidados com frete no e-commerce

A gente já disse, mas não custa repetir: o frete CIF é o mais usado no e-commerce. E isso significa que quem vende pela internet precisa tomar alguns cuidados com a logística. Oferecer opções competitivas de frete — tanto em preços quanto em prazos — é essencial para vender mais e fidelizar clientes. Com isso em mente, separamos 3 cuidados indispensáveis para a logística de um e-commerce. Confira: 

1) Disponibilize opções variadas de frete 

Uma loja virtual precisa oferecer diferentes modalidades de frete: do mais rápido (e provavelmente mais caro) ao mais lento (e provavelmente mais barato). É importante que o cliente possa decidir qual tipo de entrega prefere. Afinal, nem sempre a opção mais econômica será a escolhida pelo consumidor: é preciso levar os prazos em consideração. Uma ferramenta que pode te ajudar a oferecer fretes variados e competitivos no seu e-commerce é o Melhor Envio. Com ele, você consegue simular condições com diversas transportadoras (inclusive Correios) e gerar seu frete pela internet mesmo. Vale a pena conferir: www.melhorenvio.com.br

Cote fretes simultaneamente com diversa transportadoras usando o Melhor Envio.

2) Forneça informações atualizadas de rastreamento

A ansiedade pela entrega do produto faz parte do comportamento do consumidor de e-commerce. E é tarefa das lojas virtuais amenizar esse desconforto. Como fazer isso? Informar o código de rastreamento é uma ótima maneira! Se você deixar o cliente “no escuro” quanto ao progresso do envio do pedido, ele dificilmente vai comprar de você outra vez (mesmo se o pedido chegar em perfeitas condições). Por sorte, a tecnologia pode te ajudar até com isso. Ferramentas como o Melhor Rastreio permitem que você cadastre todos os seus pacotes em um único lugar e acompanhe a movimentação de cada um deles. Acesse para conferir: www.melhorrastreio.com.br 

Monitore o envio dos seus pacotes com o Melhor Rastreio.

3) Logística reversa

Por último (mas nem de longe menos importante), todo e-commerce precisa ter uma política clara de devoluções e trocas. A logística reversa deve ser um processo já estabelecido na sua loja, e não algo que você examina caso a caso e lida de jeitos diferentes em cada situação. Algumas questões precisam estar resolvidas na sua cabeça. Por exemplo: o produto será coletado na casa do cliente? A coleta será agendada? Ou o cliente precisa ir até um ponto de coleta para postar a devolução/troca? Ah, e sempre vale lembrar: de acordo com a legislação brasileira, a responsabilidade pelos custos do frete reverso é do lojista. 

Esperamos que este texto tenha esclarecido suas dúvidas sobre as diferenças entre frete CIF e FOB. Continue acompanhando o Melhor Blog para ficar ligado em tudo que é relevante para o e-commerce. Aproveite e assine nossa newsletter para não perder nada!

Posts relacionados

Deixe um comentário