Estratégia de Preço na Black Friday: como evitar prejuízos

Maior evento comercial do ano e uma das épocas mais importantes para o varejo, a Black Friday ganha cada vez mais força no Brasil, ano após ano. Com isso, muitos lojistas se preocupam com a estratégia de preço na Black Friday.

Mundialmente famosa, a data é vista como uma ótima oportunidade de ganhar dinheiro com o alto volume de vendas, em razão da grande tendência de compra por parte dos clientes. 

Mas isso nem sempre acontece e acredite, é mais comum do que parece. 

Na verdade, o faturamento não necessariamente está ligado ao lucro ou a quanto de dinheiro o empresário ou empresária ganhará ao final do mês. Por isso é importante ter alguns cuidados na hora de definir os preços na Black Friday.

Sem analisar e tomar as devidas precauções, as vendas podem ocorrer no prejuízo e causar um grande problema financeiro para o e-commerce.

Para evitar esse tipo de situação, preste bastante atenção às dicas presentes neste post! Com elas nós vamos te ajudar a identificar e corrigir problemas a fim de evitar prejuízos nas vendas durante a Black Friday.

Independente da sua estratégia de preços, tenha em mente esses indicadores 

Além de utilizar a Black Friday como forma de ganhar dinheiro ao reduzir a margem de lucro e priorizar o volume de vendas, muitos lojistas podem aproveitar a oportunidade para penetrar no mercado ou realizar queima de estoque de mercadorias paradas nas prateleiras há muito tempo.

Seja qual for a sua estratégia, existem dois indicadores que todo lojista deve ter em mente na hora de precificar um produto: a margem de contribuição e o capital de giro.

Com as informações obtidas através da apuração desses dois indicadores, conseguimos evitar a exposição ao risco de faltar lucro e caixa.

A margem de contribuição na precificação

Existem diversos métodos de precificação e a boa notícia é que você pode combinar mais de uma maneira para garantir melhores resultados.

Independente do método que você use, tenha em mente que é necessário apurar a margem de contribuição dos seus produtos.

Margem de contribuição, também conhecida como margem de lucro bruto, é a quantia que sobra da receita obtida por meio de uma venda, após retirar os custos e despesas variáveis.

Podemos resumir o trecho acima com a seguinte fórmula: 

👉 Margem de contribuição = Valor de venda – Custos e Despesas variáveis

Essa margem será responsável pelo pagamento dos custos e das despesas fixas, além do lucro líquido da venda.

Assista: Por que é errado Ratear Custos Fixos no Preço?

Recomendamos essa metodologia por conta da previsibilidade na formação de preços e também por conta da baixa exposição ao risco de vender no prejuízo, o que pode acontecer se o lojista não calcular corretamente a margem de contribuição.

Sabendo o quanto de lucro obtemos para cada real faturado, facilitamos a projeção de metas de vendas e ganhamos segurança na hora de oferecer descontos, o ponto chave da Black Friday.

Atenção ao Capital de Giro

Este é o segundo indicador que todo lojista precisa mensurar e ter controle para evitar futuros problemas financeiros que prejudiquem a operação da empresa.

Cerca de 96% das empresas não sabem de quanto capital de giro precisam, motivo pelo qual muitos lojistas vendem e não vêem a cor do dinheiro.

E esse problema acontece, muitas vezes, por conta das condições de compra e venda que não são analisadas corretamente, causando um problema de fluxo de caixa, o que impacta diretamente esse indicador.

Para evitar essa situação, temos que olhar para três métricas:

👉 Tempo médio de produto em estoque
👉 Prazo de pagamento a fornecedores
👉 Prazo de recebimento de clientes

Talvez você já tenha recebido uma “oferta” do seu fornecedor, onde ele ofereceu um suposto desconto em uma determinada mercadoria em troca de você realizar o pagamento à vista na compra de volume maior do que costume. Muito cuidado com isso! 

Estocar uma quantidade muito alta de itens pode ocasionar no congelamento desse estoque, ou seja, dinheiro parado na sua prateleira.

E a situação só se agrava quando olhamos para as vendas cujo tempo de recebimento varia de 30 a 90 dias. Ou seja, você paga antecipadamente por um produto, vende em um determinado prazo e só vê a cor desse dinheiro meses depois.

O período que você vai levar para vender todos esses produtos somados ao pagamento à vista ao fornecedor implica em um tempo de retorno financeiro muito maior do que o ritmo dos custos e saída do dinheiro, aumentando a sua necessidade de capital de giro.

Uma forma de ter controle do capital de giro é pensar em ações que otimizem essas três métricas mencionadas anteriormente.

Recomendamos negociar prazos de pagamento maiores com seus fornecedores, trabalhar com estoque pouco acima do limite de ruptura para não comprometer a operação e realizar antecipações de recebíveis, sempre levando em conta a sua precificação.

Você pode contar com o auxílio dessa calculadora de capital de giro para mensurar esse indicador e realizar as otimizações necessárias.

Promoções devem ser eficientes

Em um mercado competitivo como o varejo, é importante estar atento a esses indicadores muito mais do que simplesmente olhar o faturamento.

Contudo, ao colocar em prática as dicas para reduzir o capital de giro e precificar de acordo com suas margens, você tem tudo para ter uma boa performance na Black Friday 2020.

E para ajudá-lo(a) a evitar erros na hora de fazer uma promoção preparamos este guia completo de promoções para a sua loja. Aproveite!
No mais, se você quiser saber mais como usar a precificação para tornar a sua empresa mais lucrativa e rentável, conheça a Preço Certo.

Posts relacionados

Deixe um comentário