Como diminuir o impacto do coronavírus no e-commerce

Confira dicas para colocar em prática durante a pandemia e superar a crise do coronavírus no e-commerce

Consumidores de 12 países, entre eles o Brasil, disseram que estão comprando mais pela internet durante a pandemia de coronavírus.

Um estudo da ZNZ Intelligence, plataforma de inteligência e pesquisa da ZNZ, mostrou a tendência de comportamento dos brasileiros: 71% dos entrevistados afirmaram que pretendem aumentar o volume de compras online.Eles garantiram que produtos de higiene (80%), alimentos e bebidas (72%) e remédios (63%), vão ser prioridade neste momento.

coronavírus no e-commerce
Imagem: Rawpixel

Diante disso tudo, você pode estar se perguntando qual será o impacto do coronavírus no e-commerce e como gerenciar o seu negócio durante a crise.

São dúvidas que, provavelmente, todos têm. Por isso, nós listamos algumas ações que podem lhe ajudar! Então, continue a leitura!

Ações para diminuir o impacto do coronavírus no e-commerce

Procure mais fornecedores

Diante da instabilidade econômica que o mundo vive agora, o ideal é que a sua empresa possua contato com mais de um fornecedor nacional.

Dessa forma, caso o seu fornecedor atual não possa honrar o compromisso com você por algum motivo, o seu negócio não fica prejudicado. Basta recorrer a outros que possam lhe atender!

Negocie dívidas e busque ajuda

coronavírus no e-commerce negocie dívidas
Imagem: Rawpixel

Se as contas não fecharem, peça mais prazo aos seus fornecedores para pagar suas obrigações. Isso é algo completamente compreensível em uma situação como essa!

Inclusive, o Sebrae está oferecendo em seu site orientações para os empreendedores. São dicas para negociação de dívidas e um guia de gestão financeira para pequenos negócios.

E para reduzir os efeitos econômicos do coronavírus no e-commerce, o governo federal anunciou algumas medidas.

Medidas do governo federal junto aos bancos

A primeira medida, é o adiamento do pagamento do imposto do Simples Nacional pelo período de três meses. Ou seja, os valores referentes aos impostos dos meses de abril, maio e junho, poderão ser pagos em outubro, novembro e dezembro, respectivamente.

De acordo com o governo, essa medida vai beneficiar cerca de 4,9 milhões de empresas e aproximadamente 9,8 milhões de microempreendedores individuais (MEI).

Para mais detalhes, você pode conferir a Resolução nº 152, de 18 de março de 2020, publicada no Diário Oficial da União.

Outra medida, é a liberação de R$ 5 bilhões pelo Programa de Geração de Renda (Proger), mantido com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). 

A quantia vai ser repassada aos bancos públicos (como a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES), para que eles concedam empréstimos voltados ao capital de giro de micro e pequenas empresas. 

Já para os bancos privados, foi repassado pelo governo federal o valor de R$ 40 bilhões. O dinheiro é oferecido para pequenas e médias empresas, através de linhas de crédito para pagamento de salário de funcionários.

Empresas com faturamento entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões podem solicitar o dinheiro ao banco, que vai ser depositado diretamente na conta do empregado.

Aqui vale um lembrete! Antes de pedir empréstimos ou fazer financiamentos, é aconselhável que você faça uma cuidadosa análise financeira e considere os juros que serão cobrados. 

Só depois, se concluir que realmente é necessário e que vale a pena, assine o contrato. A ideia é que o dinheiro arrume as suas contas e não que lhe traga problemas futuros!

coronavírus no e-commerce auxílio emergencial
Imagem: Rawpixel

Coronavoucher

E na Câmara de Deputados, foi proposto o pagamento de um auxílio emergencial individual. O projeto já passou também pelo Senado e foi sancionado pela Presidência da República. 

O valor é de R$ 600 mensais. E para famílias em que a mãe é a única responsável, o valor do benefício pode chegar a R$ 1.200.

Têm direito trabalhadores autônomos, informais e com renda intermitente inativos (aqueles que possuem vínculo mas não estão trabalhando por falta de demanda).

Mas para receber, é preciso cumprir algumas exigências, entre elas:

  • ter mais de 18 anos
  • não ter emprego formal (CLT ou servidor público)
  • prestar serviços como Microempreendedor Individual (MEI)
  • contribuir para a Previdência Social
  • estar inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico)
  • não receber outros benefícios, como aposentadoria ou seguro-desemprego (exceção para o bolsa família)
  • ter renda familiar mensal de até meio salário mínimo (R$ 522,50) por pessoa, ou renda familiar mensal total de até três salário mínimos (R$ 3.135)
  • não ter recebido rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 em 2018

O benefício será pago pelo período de três meses, podendo ser prorrogado enquanto durar a pandemia.

Segundo o governo, 30 milhões de brasileiros devem ser beneficiados.

Para o pagamento, foi criado um calendário. Ele pode ser conferido no site da Caixa Econômica Federal, neste link

A orientação é para que as pessoas aguardem as datas, e não procurem os bancos antes disso para evitar aglomerações.

Então, se você se enquadra nas exigências, fique atento!

Busque inspiração e analise os concorrentes

Apesar da instabilidade econômica que o mundo vive agora, devido à pandemia de COVID-19, o cenário tem sido positivo para alguns negócios.

setores específicos que têm mostrado crescimento e se mantido alheios ao impacto do coronavírus no e-commerce.

Os supermercados online, por exemplo, registraram aumento de mais de 180% nas transações. O dado foi divulgado pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOmm), no mês de março.

Mas, independentemente do seu setor, você pode buscar inspiração em outros vendedores e analisar o que os seus concorrentes estão fazendo para lidar com a crise.

Crie campanhas e promoções

Muitos e-commerces e marketplaces estão criando campanhas e promoções para atrair novos clientes.

São ações envolvendo produtos relacionados ao combate ao COVID-19, como itens de higiene e limpeza e produtos interessantes para o período de isolamento social, como jogos eletrônicos e aparelhos de ginástica.

As promoções vão desde cupons de desconto para produtos específicos até campanhas de frete grátis.

Veja os exemplos abaixo.

cupom coronavírus
Imagem: Site de cupons “Pelando” (Reprodução)
salão em casa
Imagem: banner lola cosmetics (Reprodução Época Cosméticos)

Mas lembre que qualquer campanha ou promoção exige planejamento e organização do seu negócio.

Antes de incentivar seus clientes a comprar algo com uma promoção, você precisa verificar se tem estoque suficiente para atender a demanda que será gerada. E antes de oferecer frete grátis, por exemplo, precisa verificar se poderá arcar com os custos da entrega e se isso realmente será vantajoso agora.

Fortaleça a presença do seu negócio nas redes sociais

Desde o início da quarentena, as pessoas estão passando mais tempo na internet. Nos três primeiros dias, as operadoras de telefonia registraram um aumento médio de 40% no tráfego de internet de banda larga fixa no Brasil.

Por isso, estar presente nas redes sociais pode ajudar o seu negócio a vender mais neste momento.

Crie e compartilhe conteúdo com os seus seguidores, gere engajamento e conquiste novos clientes. Para isso, uma dica é implementar as estratégias de marketing 4.0. Para entender o que é marketing 4.0 e como aplicar no seu negócio, confira este artigo em nosso blog.

Se aproxime dos seus clientes

atendimento ao cliente
Imagem: Rawpixel

Assim como você, seus clientes também podem ter muitas dúvidas e preocupações agora. Por isso, esteja atento aos seus canais de comunicação.

Você pode utilizar as redes sociais do seu negócio, por exemplo, para tranquilizar os seus clientes. Fale sobre as medidas que você está adotando para enfrentar o coronavírus no e-commerce e diga como está trabalhando para diminuir o impacto na entrega das encomendas.

Também procure responder, o mais rápido possível, as perguntas dos seus clientes.

É importante que você tenha uma comunicação clara e transparente para evitar cancelamentos de compras ou reclamações.

Se mantenha bem informado

Estar bem informado é fundamental na sua tomada de decisões. 

Você precisa conhecer o cenário atual, as medidas que estão sendo tomadas pelos governos, as limitações impostas e as oportunidades criadas. Só assim, poderá tomar decisões assertivas no seu negócio.

Por isso, acompanhe as notícias. E busque sempre de fontes confiáveis, é claro!

O site do Ministério da Saúde é a fonte oficial sobre os dados do COVID-19 no Brasil e faz atualização constante do panorama nacional.

Outro canal interessante para quem vende online, é o portal do Sebrae. Nele você encontra informações úteis sobre programas de financiamento para enfrentar a crise, orientação de profissionais e várias dicas para administrar o seu negócio.

E a equipe do Melhor Envio também está trabalhando para levar até você informações úteis. 

Em nosso blog, você encontra um artigo exclusivo que fala sobre o impacto geral do coronavírus no e-commerce, e outro, atualizado constantemente, sobre o status das transportadoras. Além de várias dicas para você implantar e continuar vendendo mesmo diante da crise.

Conclusão

Entendemos que o momento não é fácil! Além da saúde, a instabilidade econômica preocupa a todos. Principalmente quem tem um negócio.

Mas com planejamento e ação, o seu e-commerce pode superar a crise e, inclusive, sair mais forte dela.

Para isso, procuramos trazer estas dicas até você! Sabemos que são muitas as questões e os detalhes com os quais você precisa lidar agora e queremos passar por isso juntos! Também por isso sugerimos que você conheça o Melhor Envio!

Com o Melhor Envio, você pode resolver uma das questões mais importantes para quem vende online: o frete do seu negócio.

Somos uma plataforma de cotação e geração de fretes, na qual você pode comparar as condições oferecidas por diferentes transportadoras, inclusive Correios. E assim, escolher a que melhor lhe atende.

Usando nosso serviço, você também tem acesso a ferramentas como a calculadora de fretes e o rastreamento de encomendas: o Melhor Rastreio. Dessa forma, pode se planejar e acompanhar o andamento da entrega dos seus pedidos.

E com o Melhor Envio você só paga pelos fretes que gerar na plataforma. Não tem mensalidade nem limite mínimo de envios.

Durante a pandemia do coronavírus, nossa equipe também está trabalhando para te manter bem informado. Em nossos canais de comunicação, compartilhamos atualizações constantes sobre o cenário do coronavírus no e-commerce e o status de funcionamento das transportadoras parceiras.Então, se cadastre em nosso site e comece a oferecer um frete mais competitivo para os seus clientes.

Posts relacionados

Deixe um comentário